Apesar de suas qualidades, o vidro comum pode ser utilizado em diferentes obras desde que estejam encaixilhado. Possui baixa resistência mecânica, sendo mais frágil e quebradiço que os demais. Ao se quebrar, o vidro comum espalha pedaços pontiagudos e cortantes.

O vidro temperado é cinco vezes mais resistente que o comum suportando ventos. Caso seja quebrado, não forma cacos pontiagudos, mas pedaços menores e arredondados. Para adquirir esta característica, o vidro temperado passa pela têmpera, processo durante a fabricação onde o vidro sofre um choque térmico. Os cortes e furos dos vidros temperados devem ser realizados sempre antes do processo de têmpera e, por isso, as placas são feitas sempre sob medida, em dimensões exatas.
Apesar do vidro temperado, ao ser quebrado, não produzir pedaços de vidro pontiagudos e cortantes, muitos condomínios decidem pela instalação do vidro temperado com película. Esta película faz com que os pedaços de vidro não se soltem. A desvantagem é que, devido ao ressecamento e a consequente perda da eficácia, a película deve ser trocada a cada 10 anos.

O vidro laminado, por sua vez, é menos resistente que o vidro temperado e tem pouca resistência a impactos frontais. Este vidro possui duas ou mais placas de vidro e, também, uma película de segurança no meio – espécie de filme plástico. Na fabricação, as camadas são prensadas e as lâminas ficam presas ao filme, como um sanduíche. Caso o vidro laminado quebre, esta película retém os pedaços de vidro, impedindo-os que se soltem.
O vidro laminado, justamente por reter os pedaços de vidro, é mais indicado para guarda-corpo.